O Poder Insuperável do Bem

Tratar o outro com desprezo, indiferença ou ira é se cobrir com o lençol impenetrável do mal. O Universo tem leis muito severas quanto aos nossos sentimentos: você receberá aquilo que, de todo o coração, desejar. E não estou falando do que desejar somente para si; apenas de desejar, inclusive, para o outro.


Sabendo disso, devemos praticar sentimentos benignos, agir de forma benigna. Isso pode precisar de exercícios constantes, de vigílias permanentes. Todos somos, ora ou outra, passíveis de recaídas. Nesses momentos, a lembrança de que receberemos moedas equivalentes às lançadas nos cofres do Universo será de grande valia.


A grande ideia por detrás da Criação é a de que o ser humano consiga viver em paz, praticando a solidariedade, ajudando uns aos outros, prosperando juntos, evoluindo espiritualmente, respeitando a natureza e os seus recursos, convivendo harmonicamente como membros de uma imensa família que reside numa mesma casa: a Terra.


Como disse Leon Tolstói:

“A alegria de fazer o bem é a única felicidade verdadeira”.

A vida inteira muda com a prática do bem. Quando damos, recebemos. Quando cuidamos do outro, recebemos o cuidado de alguém. Quando sorrimos para uma pessoa, recebemos um maravilhoso sorriso de volta. Quando alimentamos uma pessoa faminta, nossa dispensa é recompensada com fartura. As leis universais, escritas pelo Criador, respondem aos nossos desejos mais profundos. Essa resposta pode não vir de imediato, mas isso não significa que as engrenagens do tempo e do sobrenatural não estejam girando.


“O generoso sempre prosperará; quem oferece ajuda ao necessitado, conforto receberá”. Provérbios 11:25

Não há poder que supere a bondade: meio pelo qual o crescimento humano se eleva a patamares transcendentais.


Texto publicado orinalmente em minha coluna na Revista Statto.


Clique na imagem abaixo e leia o meu livro hoje mesmo.



13 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo